Nacional
Zé Pedro

Morre aos 61 anos

Qui, 30/11/2017 - 17:05

ÚLTIMA HORA: Portugal diz adeus ao guitarrista que nunca será esquecido

Zé Pedro, guitarrista dos Xutos & Pontapés, morreu esta quinta-feira, 30 de novembro, aos 61 anos. O músico, que em 2011 se submeteu a um transplante hepático, tinha iniciado recentemente um novo tratamento.

O músico encontrava-se hospitalizado desde a semana passada.

[Em atualização]

A vida do guitarrista que nunca será esquecido

Foi a 14 de setembro de 1956 que José Pedro Amaro dos Santos Reis nasceu na Maternidade do Hospital Militar da Estrela, em Lisboa. Terceiro filho de uma família de sete irmãos, Zé Pedro sempre foi uma criança cheia de genica.

Desde bem pequenino, até aos seis anos, viveu em Timor, onde o pai, com carreira militar, estava destacado. No início da década de 60, a família fez as malas e rumou ao bairro dos Olivais, em Lisboa. 

Foi na capital portuguesa que Zé Pedro começou a ganhar o gosto pelas melodias. O primeiro concerto que o músico assistiu foi um de Miles Davis, no Festival de Jazz de Cascais, com os pais. 

Depois disso, em 1977, seguiu viagem até França, num interrail. Foi aí que assistiu a um festival de punk e onde começou a consolidar o sonho, “Xutos e Pontapés”.

O início da carreira

De regresso a Portugal, Zé Pedro conhece os Faíscas, cede-lhes a garagem dos pais para a sala de ensaios e é nomeado manager oficial.

É nessa garagem que tudo começa. Zé Pedro, Zé Leonel e Paulo Borges fazem audição a Kalú e mudam de nome para Xutos & Pontapés depois de Beijinhos & Parabéns não ter sido aprovado. 

Borges não aquece o lugar e chega Tim para completar o quarteto inicial. Mas as coisas nem sempre correram de feição.

Os Xutos e Pontapés

Os Xutos e Pontapés surgiram em 1979, mas só em 87 a música “Circo de Feras” fez com que houvesse uma maior explosão da banda. Até então, segundo Zé Pedro, foi o chamado, viver um dia de cada vez.

O princípio dos anos 90 não foi fácil. A banda estava praticamente falida. Nessa altura, os Xutos estiveram parados e sem contactar uns com os outros durante cerca de meio ano. 

Mas depois da tempestade veio a bonança. Regressaram aos palcos e nunca mais pararam.

Sexo, drogas e Rock n' Roll

Em determinada fase da sua vida, Zé Pedro viveu intensamente o tão badalado sexo, drogas e Rock n' Roll. 

Consumiu e deixou-se consumir... não só pelas drogas mas também pelo álcool, até que uma hemorragia interna o levou para uma cama de hospital. 

A partir desse dia tudo mudou. Deixou para trás o que o prendia a um passado sem rumo.

O amor da vida de Zé Pedro

De coração livre, em 2009, a vida de Zé Pedro deu uma grande volta. Apaixonou-se por Cristina Avides Moreira e passados quatro anos de namoro, o casal acabou por casar, numa cerimónia que contou com a presença dos mais próximos.

Dois anos depois da união, a saúde do músico ficou fragilizada e Zé Pedro teve de ser submetido a um transplante hepático. 

Cristina esteve sempre ao lado do seu grande amor.

O último concerto

Em novembro de 2017, a banda encerrou a digressão no Coliseu dos Recreios, em Lisboa, onde o músico apareceu com um semblante debilitado.

Ainda assim, assinalou o evento com uma mensagem no Facebook, agradecendo a força com que o público o recebeu. Mesmo com o mundo muitas vezes ao contrário, Zé Pedro sempre foi o homem do leme da sua vida.

Fotos: Impala e DR
 

Siga a Nova Gente no Instagram