Nacional
Paulo Rocha

"Não procuro a pessoa certa"

Qui, 09/06/2011 - 16:00

O actor fica um ano no Rio de Janeiro, mas prometeu vir a Portugal regularmente, porque não aguenta estar muito tempo longe da família.

Entre a estreia no Teatro Nacional, em 1995, e agora, a ida para o Rio de Janeiro, convidado pela Globo, vai um grande passo. Sente-se realizado?

Se me sentisse realizado, cristalizava. E cristalizar, aos 34 anos, não me apetece. Os actores e artistas precisam de motivações permanentes. Não faço projectos nem estabeleço metas para não viver na ansiedade de as atingir ou ficar preso a elas. O meu pai ensina-me que o nosso valor é sempre o do último trabalho que fizemos. Sinto que me tornei mais disponível desde que fiz, na novela Vingança, um papel emocionalmente intenso. Cada trabalho é uma aprendizagem e espero que a minha ida para o Brasil me faça continuar a evoluir.

Leia a entrevista completa na edição da NOVA GENTE, à venda no quiosque mais perto de si.

Siga a Nova Gente no Instagram