Internacional
Maré Negra

À espera de um milagre

Sex, 30/04/2010 - 14:00

A explosão numa plataforma petrolífera está a libertar 5 mil barris de petróleo por dia no Golfo do México. A mega maré-negra já terá atingido a Louisiana e dirige-se ao Delta do Mississipi.

Estas são as primeiras imagens de uma catástrofe que já está a acontecer no mar, desde dia 20, quando a explosão de uma plataforma petrolifera no Golfo do México, ocorrida a 1500 metros de profundidade, terá iniciado a fuga do equivalente a cinco mil barris de petróleo por dia, cinco vezes mais do que as previsões iniciais. Hoje, segundo a agência France Press, a  gigantesca maré-negra, que se prevê, atinja o litoral norte-americano, já terá chegado às praias imaculadas da costa do Louisiana.  
 
Segundo os especialistas, só uma miraculosa mudança dos ventos pode evitar que os Estados Unidos assistam à maior maré-negra da sua história, e, a confirmar-se, as imagens que chegarão nos próximos dias serão bem piores. Até agora, todas as tentativas  para conter as três  fugas de crude detectadas na plataforma explorada pela BP  têm sido inglórios,  já que a tecnologia para prevenir este tipo de desastres a grande profundidade é ainda muito insipiente.
 
O estado de emergência foi declarado no Louisiana, o primeiro dos quatro Estados possivelmente atingidos pela catástrofe. A seguir, a enorme macha de hidrocarbonetos, que atinge já os mil quilómetros de diâmetro, deverá chegar ao Delta do Mississipi, um dos mais importantes refúgios de vida selvagem nos Estados Unidos, onde ameaça mais de 400 espécies, a maioria aves, que estão agora em plena época de nidificação. Alabama e Flórida são outros Estados em situação de alerta.  Na sequência deste desastre as acções da BP caíram a pique já que os mercados antecipam que as responsabilidades do desastre recaiam todas sobre a petrolífera. Em 1989, um acidente numa plataforma explorada pela Exxon, no Alasca, custou 4,3 mil milhões de dólares de indeminizações à empresa norte-americana.

Siga a Nova Gente no Instagram