Nacional
«Houve uma penetração»

José Castelo Branco confessa ter sido violado em criança

Dom, 01/09/2019 - 20:30

José Castelo Branco deu uma entrevista a um jornal nacional onde revelou ter sido violado quando tinha apenas 9 anos.

José Castelo Branco diz que a sua vida é «de altos e baixos» e que se sente «um iôiô nas mãos de Deus». Começou a sofrer bullying na infância, em Moçambique, onde nasceu. A família ostracizou-o, o pai achava-o um «cobarde» e o namorado de uma prima violou-o. José Castelo Branco tinha 9 anos. Os colegas de escola maltrataram-no. Era chamado de «Beto Maria Menina», de «Lulu», levou «pontapés e carolos» e levou «pedradas».

 

Numa entrevista dada ao suplemento b,i., do semanário Sol, o marchant d’art não esconde o passado que, apesar de traumático, o moldou e fez dele o que é hoje: uma figura que nunca se conseguiu ver «a envelhecer como homem», que vestiu roupa masculina, pela primeira vez, no dia do casamento com Maria Arlene  (mãe do filho Guilherme) e que encontrou em Betty Grafstein, a atual mulher, «a Tatiana Romanova [alter-ego que encarnava na noite lisboeta] que era».

 

«Houve uma penetração»

José Castelo Branco conta que «tinha acabado de fazer 9 anos» quando foi sexualmente abusado na própria casa. «Às vezes, pergunto-me: ‘Será que fui eu que tive a culpa e que provoquei?’ Sei que estava no quarto dele, do José Manuel Peixoto Monteiro, que era namorado de uma prima, agarrado a uma rede, porque todas as portas tinham redes por causa dos mosquitos, e estava a ver o rio Zambeze e o batelão a passar. Ele põe-se atrás de mim e, falando em vernáculo, começa a roçar-se e de repente leva-me para a cama. Fiquei sem reação. E houve uma penetração», recorda.

Este episódio fez com que não seja um «gay comum, igual a todos os outros», mas tenha seguido «um caminho diferente» que o levou a casar-se e a ser pai de Guilherme.

Em casa e na escola, o socialite era posto de parte. As sobrinhas e o cunhado ficavam, Castelo Branco noutra zona da casa. A irmã gastou «uma fortuna» em psicólogos. O pai dizia-lhe: «Você é um cobarde, meu filho». O irmão nunca o aceitou. O tio, internado com problemas oncológicos, pedia-lhe para se vestir de homem: «Não quero que me venha visitar vestido de mulher», dizia-lhe.

«Eu sabia que era diferente, mas não era diferente. Era igual aos outros, nem mais nem menos. Porquê sofre esse bullying?»

As hormonas injetadas pela ex-mulher

Quando se mudou para Lisboa, Castelo Branco fez limpeza de roupas em pele e acabou por estudar tapeçaria. Fez tapetes de Arraiolos e apaixonou-se por Maria Arlene. Casaram-se a 19 de março de 1986. «Toda a gente estava à espera que eu aparecesse vestido de noiva, e é a primeira vez que me visto de homem. Tinha 20 anos». Usou um «fato de criança» cinzento-escuro que a mãe lhe comprara na Maconde [grupo textil]. «Pus collants porque não tinha meias de homem», recorda.

A então mulher compreendia o marido. «Na altura, eu tinha um bocadinho de maminhas porque tomava hormonas (…). Era ela que me dava as injeções. Eu tinha o rabo em pedra», confessa nesta entrevista.

Separou-se quando o filho tinha «um ano e pouco». Acabaria por conhecer a antiga joalheira Betty Grafstein em 1992. Encontra nela «a Tatiana» que tinha ficado no passado.

Arrependimentos? Apenas um!

Aos 56 anos, não se arrepende de quase nada. O mandado de detenção, os processos em tribunal por assédio moral, os escândalos sexuais são passado. «Já tive tantos problemas…», lembra.

O único arrependimento é «não ter sabido amar» o pai. «E só termos feito as pazes numa quinta-feira e ele ter morrido a um domingo», admite.

Texto: Ana Filipe Silveira; Fotos: reprodução redes sociais

Siga a Nova Gente no Instagram