Nacional
Fernando Tordo

Excesso de álcool: «Nunca consegui fazer nada completamente bêbado»

Sáb, 31/03/2018 - 15:50

Em entrevista exclusiva a Daniel Oliveira, no programa «Alta Definição» da SIC, o cantor e compositor português revelou pormenores sobre o problema do álcool.

«Tourada», «Estrela da tarde», «Lisboa, menina e moça», «Cavalo à solta» e «Adeus, Tristeza», foram apenas alguns dos temas que Fernado Tordo compôs ao longo da sua carreira, onde já conquistou mais de 50 anos de canções.


«Boa gente», «sério» e «benfiquista» é como se caracteriza aos 70 anos de idade, feitos esta quinta-feira, dia 29 de março. O cantor e compositor português participou cinco vezes como interprete no Festival da Canção e venceu duas vezes em 1973, com a canção «Tourada» e em 1977, com «Portugal no coração».


Foi hoje, dia 31 de março que Fernado Tordo foi convidado por Daniel Olivera para uma entrevista intimista no programa «Alta Definição» da SIC. O cantor revelou pormenores sobre o seu problema com o álcool. Um drama que fica para sempre marcado na vida de qualquer um.


Há 12 anos, com 58 anos de idade, tomou a decisão mais importante da sua vida: «deixar de beber». «Eu bebia excessivamente, mas tinha uma vontade doida de deixar e nesse processo, também, aproveitei para deixar de fumar».


LER MAIS: Álcool e suicídio - «Não quero estar aqui, não estou bem aqui»


Fernando Tordo tomou esta decisão de forma muito rápida. «Naquele momento em que a gente se encontra com o nosso outro, aquele fantasma e ele te diz: "O que é que tu queres? Queres matar-te?" É uma decisão muito rápida de se tomar e é possível, é uma decisão interior», revelou.


Tordo «puxou» a conversa do alcoolismo porque acha ser a sua missão falar sobre este assunto. O cantor sente que tem o dever de ajudar quanto a este problema. «Adoro ver as pessoas que sabem beber a beber, mas um alcoólico não sabe beber», afirmou.


«Nunca consegui fazer nada completamente bêbado»


Sem medos, Fernado Tordo falou sobre este drama abertamente. «Aquela ideia mentirosa de que as drogas dão poder criativo? Nunca consegui fazer nada completamente bêbado, nunca consegui escrever cantiga nenhuma», confessou.


Quando questinado por Daniel Olivera sobre o que sentiu quando «perdeu o pé em relação à bebida», o compositor foi claro. «Tenho a imagem de profunda aflição. De perceber que estava sem controlo, que estava a incomodar o processo à minha volta e as outras pessoas e, principalmente, o profundo drama dentro de mim», revelou.


Hoje em dia ainda frequenta as reuniões de alcoólicos anónimos. É lá, nesse círculo, que aprendeu a «saber pedir desculpa», concluiu.

Siga a Nova Gente no Instagram