nacional
Eunice Muñoz

'Às vezes fico contente com o que faço'

Sex, 02/12/2011 - 16:53

A vida de Eunice Muñoz não cabe entre as aspas dos discursos porque o que dizem dela parece ficar sempre muito aquém de uma vida que passa “tão depressa”. Faz 70 anos de carreira. Tem 83 de vida.

Ao lado de Maria José Paschoal, é uma das duas personagens de O Cerco a Leningrado, em cena no Auditório Eunice Muñoz, em Oeiras, sob direção de Celso Cleto. “É” e não “faz de” porque “elas [as personagens] são, primeiro do que tudo, filhas do meu instinto, que efetivamente é grande”. No lugar de “instinto”, outros colocam “talento” e acrescentam “desmesurado”. Na sua infindável modéstia, a atriz contrapõe. Diz que “uma personagem é um trabalho permanente”. Faça­-se­-lhe a vontade: Eunice é um poço inesgotável de “trabalho”.

Na peça O Cerco a Leningrado, que assinala no Auditório Municipal Eunice Muñoz, em Oeiras, os seus 70 anos de carreira, Maria José Paschoal divide o palco consigo e diz que sente um “extraordinário prazer, mas sobretudo uma enorme responsabilidade”.
É uma excelente colega. É a primeira vez que trabalhamos em teatro, mas já tínhamos feito a novela Mar de Paixão.

Tem ideia de quantas peças interpretou ao longo da sua vida?
Não, não me recordo. Devem ser quase 200, talvez.

O que significa 70 anos de carreira?
O privilégio de ter conhecido tanta gente... Tenho 83, estreei­-me com 13 no Teatro Nacional com aquela mestra maravilhosa, que me ensinou os primeiros passos, a Amélia Rey Colaço. Uma pessoa muito especial na minha carreira. Depois disso, tive o Ribeirinho, grande mestre da minha geração, e fui por aí fora, enfim, conhecendo encenadores diferentes, Luís Sttau Monteiro, João Mota, Ricardo Pais, Diogo Infante, João Lourenço... Espero não me esquecer de ninguém...

É um exercício de evocação?
Estou evocando os meus pais. Considero­-os pais pois através deles realizei um trabalho que me saiu equilibrado.

A idade facilita os caminhos?
Muito. E aumenta o prazer de viver.

Sente­-se “cada vez mais jovem”?
Não direi cada vez mais, mas não sinto a idade que tenho. A minha cabeça recusa­-se. Como dizia o Daniel [no Alta Definição], e escreveu­-o numa dedicatória no livro que agora publicou, a idade não quer nada comigo.

Leia a entrevista completa na edição desta semana, já nas bancas.

Siga a Nova Gente no Instagram