Saúde e Beleza
Distúrbio De Personalidade

Doença Bipolar

Ter, 28/12/2010 - 17:18

Depressão e mania são as principais características desta doença do foro psicológico, sem cura mas com tratamento.

Tradicionalmente conhecida como doença maníaco-depressiva, a doença bipolar é uma patologia do foro psicológico que se caracteriza por acentuadas alterações de humor – numa sociedade em que o stress é uma constante ­–, que podem ser em episódios repetidos ou alternados. Envolvendo ciclos de depressão e mania, esta patologia, sem causa conhecida, não escolhe idades, apesar dos sintomas serem mais comuns a partir dos 20 anos. A verdade é que, não tendo cura, existe forma de controlar esta doença que, estima­-se, afecta cerca de 200 mil portugueses. A NOVA GENTE falou com Luísa Figueira, psiquiatra no Hospital Santa Maria.

2 grandes sintomas
Mania: Um estado de humor expansivo e eufórico. Nas fases iniciais, o doente começa por sentir­-se alegre e confiante, mas, com o passar do tempo, podem surgir sintomas como diminuição da vontade de dormir, irritabilidade ou perda de noção da realidade.
Depressão: Caracterizado por um estado extremo de tristeza, o doente bipolar pode perder a vontade de trabalhar ou perder ainda o interesse nas pessoas. É comum um sentimento de inutilidade, discursos negativos sobre suicídio, agitação e inquietação.

Causas
Pensa­-se que esta doença seja transmitida hereditariamente, mas existem igualmente factores que podem desencadear crises. “A verdade é que para se ser bipolar tem de se nascer com predisposição para, ou seja, não é uma doença que se venha a ter. Ou se nasce com doença bipolar ou não. Claro que há factores desencadeantes, tais como situações traumáticas ou stress prolongado.”

% de afectados
Os números dão que falar. “ A doença bipolar tipo 1, que se caracteriza por episódios de mania alternados com episódios depressivos, afecta cerca de 1% dos portugueses. Já a doença bipolar tipo 2, que os doentes alternam estados de depressão com hipomania (alteração de humor semelhante à mania, mas menos intensa), afecta cerca de 3% da população.”

Consequências
Depois de uma crise, o doente bipolar volta ao seu estado normal, mas a verdade é que neste tipo de patologia surgem consequências ao nível familiar, individual e ainda no plano social. “Um doente bipolar acaba por afastar­-se das pessoas e do mundo que o rodeia, porque, em estados de depressão, não tem vontade de fazer nada. É importante que a família esteja sempre ao pé destes doentes.”

Tratamento
Não existe um tratamento definitivo para a doença bipolar. Há, no entanto, forma de controlar esta patogia. “Existe medicação específica para controlar a bipolaridade. Desta forma estes doentes têm qualidade de vida. É importante que se perceba que interromper este tratamento pode ser fatal. É uma doença que precisa de constante vigilância.”

Afecta qualquer idade
Pode acontecer na infância, adolescência ou em idades mais avançadas, apesar de ser mais comum na faixa etária dos 20 aos 30 anos. “O mais comum é que estes sintomas de bipolaridade apareçam no final da adolescência até aos 30, mas a verdade é que podem ocorrer em qualquer altura. Quando há um historial clínico de bipolaridade, principalmente de pais para filhos, há que ter atenção aos sintomas, porque a probabilidade de ter esta doença é maior nestes casos.”

Dicas
Evitar o álcool, tabaco e café
Exercício físico
Alimentação saudável cumprir o horário de sono – 8 horas por dia

Siga a Nova Gente no Instagram