Nacional
Diogo Carmona

Dívidas ao Estado obrigam ator a esperar pela prótese: «Não fui eu que fiz»

Sex, 07/02/2020 - 20:41

Diogo Carmona ficou sem o pé esquerdo após ser colhido por um comboio. O ator espera agora uma prótese que está a sofrer atrasos devido às dívidas que tem, em seu nome, às finanças

Diogo Carmona tem sido um dos nomes mais falados do momento. Depois de protagonizar várias polémicas, o ator sofreu um acidente e ficou sem um pé. «Não estou triste. Neste momento estou bem porque estou com a minha família. Acho que isso é o mais importante», começou por dizer a Júlia Pinheiro, na tarde desta sexta-feira, dia 7 de fevereiro. 

A viver com os avós paternos, Diogo confessou-se um neto orgulhoso e acarinhado pelos pais do progenitor. São eles que o têm acompanhado nesta fase difícil. «Foi um acidente. Infelizmente estava no sítio errado à hora errada. Costumava passar naquele sítio várias vezes», admitiu. 

«O mais importante é que estou com vida e estou agora aqui. Aprendi tantas lições com esta situação. No hospital, por exemplo. Acho que no hospital aprendemos muito. Ainda me estou a habituar a esta situação, mas não quero ver isto como um entrave porque acho que não o é», insistiu o ator de 22 anos. 

À espera da prótese

A andar com a ajuda de muletas, Diogo Carmona espera agora uma prótese. «Sou eu que estou a tratar em conjunto com os meus avós. A situação está complicada, porque existem problemas a nível das finanças comigo que eu não fiz, que não tenho mão sobre eles.»

As dívidas ao Estado estão a impedir o ator de ter acesso à prótese que substituirá o pé esquerdo. «Isso é que está a ser o entrave para a prótese, porque a prótese há-de ser comparticipada pelo Estado, pelo menos fiz esse requerimento. Eu tenho uma dívida às finanças que não fui eu que fiz. São multas, é um carro em meu nome que eu não tenho, isso não interessa», confessou. 

A frequentar sessões de fisioterapia, Diogo conta com a ajuda dos especialistas que são «incansáveis». Agora espera a prótese que já está a ser feita de propósito para ele. 

O apoio do pai

«O meu pai nunca foi ausente. Não vivia comigo, mas sempre me acompanhou, esteve lá sempre para mim. E, neste momento, obviamente está mais presente. Estamos bem», esclareceu em relação ao progenitor. 

Com Patrícia Carmona é que, dificilmente, fará as pazes. «Não, porque existe uma ordem de afastamento até, da parte do tribunal, que eu não posso aproximar-me da minha mãe. Não faz sentido. Não lhe posso estar a dizer tudo. Parece que estão a reverter as coisas contra mim. O crime que houve está a tentar ser revertido contra mim. Estou a tentar ver se eu é que fico culpado. E isto é um bocado grave», acusou. 

A reação de Patrícia Carmona

No final do programa, Patrícia Carmona ligou para o estúdio e reagiu às afirmações do filho. «Eu não vou dizer muito porque continuo a sentir... Eu não vou falar, como não tenho falado até aqui. Há coisas que nao podem falar por questões legais e, acima disso, a mim o que me preocupa, como sempre preocupou, é o bem estar do Diogo.»

Defendendo-se: «Não há aqui um ataque da minha parte, nunca, nem haverá ao meu filho. As coisas que existem, infelizmente, aconteceram. Há sede própria para o tratar. É no seio familiar que as coisas devem ser tratadas. Eu também nao quero estar com o meu filho em tribunal. Tive de me cruzar com ele».

Por fim, Patrícia Carmona expressou o seu grande desejo. «O que eu quero é abraçá-lo, como sempre quis. Eu não estou com ele porque não me deixam. Ele não pode estar comigo, se ele quer é diferente. 
Um dia talvez se fale mas eu acho que isso nao é importante. Incondicionalmente, mais do que a minha propria e se calhar por isso é que permiti que as coisas chegassem tão longe. Os nossos silêncios eram de amor. E ele sabe o amor que eu lhe tenho e que nunca vou deixar de ter. E estou onde eu puder estar por ele, sempre, incondicionalmente.»

Texto: Marisa Simões com Mariana de Almeida; Fotos: Impala e reprodução Instagram

Siga a Nova Gente no Instagram