Nacional
Carlos Castro

A última vontade

Seg, 10/01/2011 - 17:22

Carlos Castro assumiu publicamente num livro que gostaria que as suas cinzas ficassem em Nova Iorque. A família vai respeitar a vontade do cronista.

Na sua autobiografia, 'Solidão Povoada', Carlos Castro assimiu que gostaria que de ser cremado e que as suas cinzas ficassem em Nova Iorque. A família do cronista vai utilizar o livro, publicado em 2007, como prova de que era sua vontade expressa que as suas cinzas ficassem na cidade americana.

Neste contexto, o corpo do jornalista já não deve regressar a Portugal, pois segundo a lei norte-americana, o cadáver ou as cinzas de um cidadão estrangeiro não residente nos Estados Unidos só podem ficar naquele país se essa vontade tiver sido expressa, em vida, pela pessoa falecida.

Siga a Nova Gente no Instagram